17jul

Para expandir os negócios, empreendedores precisam considerar todas as possibilidades de crescimento empresarial. Pensar em uma sociedade é uma atitude quase natural, afinal, duas (ou mais) cabeças pensam melhor do que uma. Porém, escolher um sócio é algo que depende de bastante análise, uma vez que, mais do que um parceiro profissional, ele precisa ter objetivos alinhados com os seus.

Sabemos o quanto pode ser complicado para você buscar orientações sobre como escolher um sócio. Por isso, selecionamos algumas dicas para você, que pretende investir numa nova sociedade.

Saiba como escolher um sócio

saiba como escolher um sócio

1. Não confunda relacionamento pessoal com profissional

É claro que ajuda se os sócios forem bons amigos. Mas, isso não significa que uma grande amizade se transforme em uma boa sociedade. O relacionamento dentro de um ambiente de trabalho é bem diferente daquele em momentos de laser. Especialmente quando os resultados esperados não vem, ou quando a pressão cresce dentro da empresa. Nestes cenário, tanto a relação pessoal quanto a profissional podem ficar comprometidas. Lembre-se de que escolher um sócio vai além das relações pessoais.

2. Encontre um sócio com perfil profissional complementar ao seu

A sociedade ideal é aquela em que cada sócio traz conhecimentos ou recursos que os outros sócios não têm. É preciso que se pense, primeiramente, no que é melhor para a empresa e em quais decisões são favoráveis ao negócio. Por exemplo, se um contador for abrir uma empresa de contabilidade, o ideal é que ele busque alguém que tenha conhecimentos de comunicação, ou de administração, ou até mesmo de direito. Escolher um sócio com a mesma formação e perfil profissional pode limitar o alcance da empresa.

3. Conhecer as limitações do sócio

Em algumas situações, um sócio pode acabar colocando expectativas muito altas sobre o outro, e por consequência, isso pode abalar a relação entre eles. É importante reconhecer que todos nós temos limitações e, nem sempre, conseguimos corresponder ao que é esperado da gente. Acreditar que o futuro do negócio depende exclusivamente do outro sócio é uma armadilha razoavelmente frequente. Independentemente do tipo de negócio, é preciso compreender que o sócio não é super-homem e ele precisa ser respeitado.

4. Alinhar os objetivos dos sócios

Não só os objetivos entre os sócios precisam estar alinhados, mas também em relação a todos o funcionários da empresa. Por isso, na hora de escolher um sócio, analise os objetivos de vida do futuro parceiro profissional. Isso ajuda a definir o perfil de quem pode vir a compartilhar com você o comando da empresa.

5. Conhecer a capacidade de comunicação do seu sócio

Acima de qualquer coisa, o diálogo precisa ser preservado. Inevitavelmente, os sócios precisam conversar e discutir inúmeras vezes ao dia. O segredo está em saber discutir e discordar de forma respeitosa. Essas são habilidades que precisam ser priorizadas por qualquer sócio, assim como saber ouvir e compreender o ponto de vista do outro.

 

Um mediador sempre contribui para o entendimento entre os sócios. Pode parecer difícil pedir ajuda externa, mas não resolver adequadamente os desentendimentos acaba prejudicando os negócios. É importante ressaltar que, com a mediação de conflito, você tem o auxílio necessário para solucionar possíveis contratempos com o seu futuro parceiro de negócio. Com a mediação de Tomaz Solberg, você encontrará a solução ideal para divergências em seu empreendimento. Entre em contato conosco e obtenha mais informações!

 

Links úteis:
mediação comercial 
mediação de conflitos
mediador de conflitos

Agência Digital no RJ